Depois de quatro décadas de abandono, os trens regionais voltaram à pauta dos governos estaduais e federal. Atualmente, está em estudo pelo poder público a construção de 21 ramais ferroviários para passageiros. Caso todos os projetos planejados no Brasil saiam do papel no prazo previsto, o País pode ganhar 3.334 km de trilhos para transporte em 14 Estados até 2020.

O número é mais que o dobro do que existe hoje em operação. Apenas duas linhas de passageiros funcionam atualmente no País: uma liga Belo Horizonte (MG) a Vitória (ES) e outra, São Luís (MA) a Carajás (PA) - ambas são operadas pela Vale. O atual cenário contrasta com o que era esse mercado há meio século: na década de 1960, cerca de 100 milhões de passageiros eram transportados em trens interurbanos anualmente. Hoje, esse número é de cerca de 1,5 milhão de pessoas por ano.

Para Vicente Abate, presidente da Associação Brasileira da Indústria Ferroviária (Abifer), o ressurgimento de projetos de trilhos pelo País é reflexo do recente aumento da preocupação com a mobilidade. "O transporte ferroviário de passageiros é normalmente rápido, seguro, confortável e não poluente. Trens de velocidade média, entre 100 e 150 km/h, são uma alternativa para a mobilidade entre as cidades, que hoje está um desastre."

Entre os projetos mais avançados estão a ligação entre Brasília e Goiânia, passando por Anápolis, e cerca de 500 km de trilhos em Minas que fariam a conexão entre Belo Horizonte e cidades como Sete Lagoas, Ouro Preto e Brumadinho. O primeiro, orçado em R$ 800 milhões, está prometido para 2017 e deve vencer todo o trajeto em cerca de uma hora. Já o segundo está divido em três trechos e deve ser feito por meio de uma Parceria Público-Privada (PPP) que já tem 18 interessados em preparar estudos de viabilidade. A expectativa é de que as obras comecem em 2014.

Em São Paulo, o governo estadual realiza estudos para três ramais - ligando a capital a Jundiaí, Santos e Sorocaba. Além disso, o Trem de Alta Velocidade (TAV), previsto pelo governo federal para ficar pronto em 2020, vai cortar grandes cidades do Estado, como Campinas, São Paulo e São José dos Campos, no caminho até o Rio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Exibições: 770

Responder esta

Respostas a este tópico

e o interior do Brasil? nada?

pois essas regiões que serão atendidas são na verdade áreas metropolitanas ou muito próximas às mesmas! estão fazendo isso porque não tem mais espaço pra tanto carro, moto, caminhão, ônibus, etc... é a consequência da prioridade imbecil do Estado,  de investir pesadamente no setor rodoviário há 50 anos e que agora está cobrando o seu preço!

algumas observações:

é uma contradição tremenda não é: "trens de velocidade média, entre 100 e 150km/h", por que o CONTRAN estabelece como velocidade máxima permitida no Brasil para veículos automotores terrestres 110km/h (veículos de passageiros, motos e utilitários leves) e 90km/h (caminhões e ônibus)? ora trem não é um veículo automotor e terrestre? a via permanente é ''alienígena" é aérea, que categoria de transporte eles acham que trem é?

e mundo medíocre: como as leis são distorcidas e pisadas para favorecerem a determinados grupos com interesses puramente econômicos hein? 

e o povo do grande interior do Brasil que ande de carro não é, pois não vejo nenhum projeto de fato (não esses de ''faz de conta'') que vá beneficiar todas as regiões brasileiras com o transporte ferroviário de passageiros! com o TAV então, nem se fala...

agora quando o assunto é construir novas linhas para o tranporte de cargas... aaaaaahhhhhhh o tom da conversa muda na hora e os grande empresários, poderosos e gananciosos deste país embarcam e defendem a idéia com "unhas e dentes"!

e o povo?

que ande de ônibus ou então aposte corrida nas estradas brasileiras como vem ocorrendo ultimamente (150, 180, 220, 300km/h nas estradas!!), afinal o povo escolheu o seu estilo de vida não foi: "queremos automóvel", "trem é ultrapassado, muito devagar", ''queremos andar no limite" (se possível, com o velocímetro na ''estratosfera''), queremos correr, velocidade", etc, etc... e assim morrem mais de 30 mil pessoas por ano em acidentes nas estradas rodoviárias, as montadoras lucram o absurdo vendendo "carrinho 1.0" com preço de "carrão 2.0", os coniventes governos nada fazem para controlar a velocidade dos ''pilotos de corrida'' de forma prática e eficiente (esqueça isso de radar eletrõnico e redutores de velocidade: não resolvem, são "fachadas de segurança" e apenas geram multas e renda para o corrupto Estado), as empresas de ônibus lucram com tarifas abusivas nas passagens (rodoviários ou urbanos, tanto faz), as concessionárias férreas não estão interessadas e nunca estiveram no transporte de passageiros de longa distância! estas 21 linhas (exceto o TAV e a ferrovia Goiânia-Brasília) não é nada novo! sempre existiram, mas por motivos "macabros" foram abandonadas ou o transporte de passageiros extintos há anos!! esse negócio de "novas linhas" é uma redundante mentira política e econõmica, pois as linhas existem até hoje, mas para cargas lógico, gera mais lucro!

o que não existe é o TAV e o mais importante: vergonha na cara de quem extinguiu os transportes de passageiros alegando "transporte deficitário", mas não investiu nada na melhoria do serviço e também do Estado que permitiu criminosamente que isso fosse feito (sem mencionar o modelo "alienígena" da privatizações ferroviárias brasileiras).

em tempo: o traçado e projeto do TAV é novo mas a sua linha de direção não: São Paulo-Rio de Janeiro!

há décadas exitem 2 ferrovias, conectadas que interligam estas importantes cidades, a saber: a ferrovia Central do Brasil em conexão com o Ramal de São Paulo na cidade de Barra do Piraí-RJ! cuidado, estão te enganando...

outra: a construção da ferrovia Goiânia-Anápolis-Brasília é outro "conto de fadas", pois essa ligação já existe só que não ocorre de forma "direta" e sim por conexão de 3 ferrovias: Ferrovia Goyáz, Ramal de Anápolis e Ramal de Brasília! todas essas linhas existem! aliás se o transporte de passageiros por trens fosse levado a sério aproveitariam tais ferrovias, pois  todo o Ramal de Brasília está em operação da estação na Capital Federal até a conexão com a Ferrovia Goyáz em Pires do Rio-GO! daí sentido norte-noroeste, a ferrovia se conecta com o Ramal de Anápolis e chega ao seu ponto final em Goiânia-GO!

isso serviria para recolocar os 8km de trilhos que foram arrancados do centro de Anápolis-GO (até a estação foi desativada), reativar 4,5km de trilhos abandonados, mas que ainda estão no lugar, dentro da área urbana de Goiânia-GO e outros 4km de trilhos arrancados na ponta final da ferrovia Goyáz, também em Goiânia e que estavam estratégicamente localizados no centro da cidade e passavam ao lado da espaçosa estação ferroviária da capital de Goiás com um amplo pátio ferroviário que também foi arrancado!

ops!! voce não sabia disso? vai nesses lugares e confirme! ficará supreso ao ver o que fizeram com o patrimônio que também é (ou era) seu! a reconstrução disso sairia muuuuuuuuuuiiiiiiiiiiito mais barato do que os R$ 800 milhões para construir uma linha totalmente "nova"! e nem menciono o custo de implantação, aproximadamente orçados em R$ 35 bilhões (vou deixar os custos de manutenção e operação de lado hein!) do TAV vs modernização e uma manutenção de qualidade da via permanente da já existente ferrovias que conectam há gerações, as capitais de SP e RJ!!

lembre-se da corrupção que adora o nosso suado dinheiro! não se deixe enganar!!!

Samuell,

engraçado esse negócio do CONTRAN, existem rodovias aqui no Brasil onde o limite é 120km/h, influenciar nas ferrovias então, ai chega a ser patético. Será que o TAV da Dilma vai ser multado se um dia sair do papel? :)

Mas eu concordo plenamente: tudo um grande conto de fadas e de corruptos...

Samuell Alexandre disse:

e o interior do Brasil? nada?

pois essas regiões que serão atendidas são na verdade áreas metropolitanas ou muito próximas às mesmas! estão fazendo isso porque não tem mais espaço pra tanto carro, moto, caminhão, ônibus, etc... é a consequência da prioridade imbecil do Estado,  de investir pesadamente no setor rodoviário há 50 anos e que agora está cobrando o seu preço!

algumas observações:

é uma contradição tremenda não é: "trens de velocidade média, entre 100 e 150km/h", por que o CONTRAN estabelece como velocidade máxima permitida no Brasil para veículos automotores terrestres 110km/h (veículos de passageiros, motos e utilitários leves) e 90km/h (caminhões e ônibus)? ora trem não é um veículo automotor e terrestre? a via permanente é ''alienígena" é aérea, que categoria de transporte eles acham que trem é?

e mundo medíocre: como as leis são distorcidas e pisadas para favorecerem a determinados grupos com interesses puramente econômicos hein? 

e o povo do grande interior do Brasil que ande de carro não é, pois não vejo nenhum projeto de fato (não esses de ''faz de conta'') que vá beneficiar todas as regiões brasileiras com o transporte ferroviário de passageiros! com o TAV então, nem se fala...

agora quando o assunto é construir novas linhas para o tranporte de cargas... aaaaaahhhhhhh o tom da conversa muda na hora e os grande empresários, poderosos e gananciosos deste país embarcam e defendem a idéia com "unhas e dentes"!

e o povo?

que ande de ônibus ou então aposte corrida nas estradas brasileiras como vem ocorrendo ultimamente (150, 180, 220, 300km/h nas estradas!!), afinal o povo escolheu o seu estilo de vida não foi: "queremos automóvel", "trem é ultrapassado, muito devagar", ''queremos andar no limite" (se possível, com o velocímetro na ''estratosfera''), queremos correr, velocidade", etc, etc... e assim morrem mais de 30 mil pessoas por ano em acidentes nas estradas rodoviárias, as montadoras lucram o absurdo vendendo "carrinho 1.0" com preço de "carrão 2.0", os coniventes governos nada fazem para controlar a velocidade dos ''pilotos de corrida'' de forma prática e eficiente (esqueça isso de radar eletrõnico e redutores de velocidade: não resolvem, são "fachadas de segurança" e apenas geram multas e renda para o corrupto Estado), as empresas de ônibus lucram com tarifas abusivas nas passagens (rodoviários ou urbanos, tanto faz), as concessionárias férreas não estão interessadas e nunca estiveram no transporte de passageiros de longa distância! estas 21 linhas (exceto o TAV e a ferrovia Goiânia-Brasília) não é nada novo! sempre existiram, mas por motivos "macabros" foram abandonadas ou o transporte de passageiros extintos há anos!! esse negócio de "novas linhas" é uma redundante mentira política e econõmica, pois as linhas existem até hoje, mas para cargas lógico, gera mais lucro!

o que não existe é o TAV e o mais importante: vergonha na cara de quem extinguiu os transportes de passageiros alegando "transporte deficitário", mas não investiu nada na melhoria do serviço e também do Estado que permitiu criminosamente que isso fosse feito (sem mencionar o modelo "alienígena" da privatizações ferroviárias brasileiras).

em tempo: o traçado e projeto do TAV é novo mas a sua linha de direção não: São Paulo-Rio de Janeiro!

há décadas exitem 2 ferrovias, conectadas que interligam estas importantes cidades, a saber: a ferrovia Central do Brasil em conexão com o Ramal de São Paulo na cidade de Barra do Piraí-RJ! cuidado, estão te enganando...

outra: a construção da ferrovia Goiânia-Anápolis-Brasília é outro "conto de fadas", pois essa ligação já existe só que não ocorre de forma "direta" e sim por conexão de 3 ferrovias: Ferrovia Goyáz, Ramal de Anápolis e Ramal de Brasília! todas essas linhas existem! aliás se o transporte de passageiros por trens fosse levado a sério aproveitariam tais ferrovias, pois  todo o Ramal de Brasília está em operação da estação na Capital Federal até a conexão com a Ferrovia Goyáz em Pires do Rio-GO! daí sentido norte-noroeste, a ferrovia se conecta com o Ramal de Anápolis e chega ao seu ponto final em Goiânia-GO!

isso serviria para recolocar os 8km de trilhos que foram arrancados do centro de Anápolis-GO (até a estação foi desativada), reativar 4,5km de trilhos abandonados, mas que ainda estão no lugar, dentro da área urbana de Goiânia-GO e outros 4km de trilhos arrancados na ponta final da ferrovia Goyáz, também em Goiânia e que estavam estratégicamente localizados no centro da cidade e passavam ao lado da espaçosa estação ferroviária da capital de Goiás com um amplo pátio ferroviário que também foi arrancado!

ops!! voce não sabia disso? vai nesses lugares e confirme! ficará supreso ao ver o que fizeram com o patrimônio que também é (ou era) seu! a reconstrução disso sairia muuuuuuuuuuiiiiiiiiiiito mais barato do que os R$ 800 milhões para construir uma linha totalmente "nova"! e nem menciono o custo de implantação, aproximadamente orçados em R$ 35 bilhões (vou deixar os custos de manutenção e operação de lado hein!) do TAV vs modernização e uma manutenção de qualidade da via permanente da já existente ferrovias que conectam há gerações, as capitais de SP e RJ!!

lembre-se da corrupção que adora o nosso suado dinheiro! não se deixe enganar!!!

realmente Bruno é patético e sabe o motivo:

o CONTRAN que foi instiuído por força de lei em 1997, estabelece regras de trânsito terrestre pra tudo: veículos sobre rodas ou esteiras, máquinas agrícolas, carros, bicicletas, pessoas, motos, ônibus, caminhões, veículos com tração humana, animal e automotores e até bondes! mas não fala nada sobre trens, que é um meio de transporte automotor sobre rodas e terrestre! muito estranho isso!

aliás o próprio código em si é uma bagunça, são vários artigos, parágrafos e incisos que foram vetados! e por qual motivo será?

a única referência que fazem sobre os trens é sobre a preferência de passagem das composições e o condutor que desobedecer comete falta gravíssima, mas ao maquinista nada acontece!!

certamente teve fortes interesses políticos e empresariais nisso! 

até carroças com seus cavalos tem que seguir as normas do CONTRAN, mas uma locomotiva diesel-elétrica que pode pesar na casa das 100 toneladas ou mais (fora o peso somado com os vagões), essa não? que paradoxo tremendo esse hein? e ambos são meios de transporte terrestre!

o que acontece é que as empresas privadas que adiministram as ferrovias conseguiram fazer as "suas próprias leis e normas de tráfego" e ninguém pode interferir! e nós, meros mortais temos que seguir o CONTRAN que alías, também é ''camarada'' com concessionárias de vias!

voce disse que tem rodovias com velocidade máxima de ''120km/h'' não é?

é verdade e isso é um absurdo sem tamanho, pois está previsto no CONTRAN (mas não explícito)!!

 está previsto que se na rodovia não houver placas de sinalização a velocidade máxima permitida é 80km/h, sem choro dos condutores ou reclamação das concessionárias da via (e isso está explícito no código) prevendo até punições para os infratores!

agora o CONTRAN também estabelece explicitamente em lei velocidades máximas maiores, mas com sinalização vertical, de no máximo 110km/h, mas como sempre, nossos corruptos políticos deram um "jeitinho" nisso ao colocarem também no código um dispositivo que dá liberdade para empresas, que tenham a concessão da rodovia, de determinarem velocidades maiores ou menores previstas na lei de acordo com as características ''técnicas'' da via (segurança 0), ou seja, é o governo dando "carta branca" para quem pode pagar pelas concessões de aumentar a velocidade máxima além da máxima permitida por lei!

que coisa não! 

agora se o fututro TAV da Dilma deveria ser multado: na minha opinião deveria ser sim por excesso de velocidade em via terrestre e por em risco a segurança e integridade física de seus futuros passageiros...

...mas esqueço que trem é o único veículo terrestre que não está sob regulamentação das normas do Código Nacional de Trânsito!

possui suas exclusivas regras de tráfego, regras estas impostas pelas empresas aos maquinistas que estão sob os ''olhos'' atentos dos satélites que tudo ''enxergam''!

faço minhas as suas palavras: "chega a ser patético"...mesmo! 

Bruno Crivelari Sanches disse:

Samuell,

engraçado esse negócio do CONTRAN, existem rodovias aqui no Brasil onde o limite é 120km/h, influenciar nas ferrovias então, ai chega a ser patético. Será que o TAV da Dilma vai ser multado se um dia sair do papel? :)

Mas eu concordo plenamente: tudo um grande conto de fadas e de corruptos...


Não sei se cabe ao CONTRAN fiscalizar ferrovias. Ele já cuida da parte terrestre, mas digamos, especializado em rodovias. Senão teria que intervir até em aviões, quando estes estão no solo.

Eu sou mais um orgão separado para ditar regras para as ferrovias, como acontece no EUA, onde todas seguem praticamente as mesmas regras, mas mesmo assim existem diferenças, até mesmo no sistema de sinalização.

Aqui quem poderia ter feito isso seria a RFFSA, mas essa deixou de existir e agora inventaram a Valec e a coisa ficou misturada entre Valec, ANTT e DNIT.

Nada como bagunçar tudo para facilitar os trambiques.

Samuell Alexandre disse:

realmente Bruno é patético e sabe o motivo:

o CONTRAN que foi instiuído por força de lei em 1997, estabelece regras de trânsito terrestre pra tudo: veículos sobre rodas ou esteiras, máquinas agrícolas, carros, bicicletas, pessoas, motos, ônibus, caminhões, veículos com tração humana, animal e automotores e até bondes! mas não fala nada sobre trens, que é um meio de transporte automotor sobre rodas e terrestre! muito estranho isso!

aliás o próprio código em si é uma bagunça, são vários artigos, parágrafos e incisos que foram vetados! e por qual motivo será?

a única referência que fazem sobre os trens é sobre a preferência de passagem das composições e o condutor que desobedecer comete falta gravíssima, mas ao maquinista nada acontece!!

certamente teve fortes interesses políticos e empresariais nisso! 

até carroças com seus cavalos tem que seguir as normas do CONTRAN, mas uma locomotiva diesel-elétrica que pode pesar na casa das 100 toneladas ou mais (fora o peso somado com os vagões), essa não? que paradoxo tremendo esse hein? e ambos são meios de transporte terrestre!

o que acontece é que as empresas privadas que adiministram as ferrovias conseguiram fazer as "suas próprias leis e normas de tráfego" e ninguém pode interferir! e nós, meros mortais temos que seguir o CONTRAN que alías, também é ''camarada'' com concessionárias de vias!

voce disse que tem rodovias com velocidade máxima de ''120km/h'' não é?

é verdade e isso é um absurdo sem tamanho, pois está previsto no CONTRAN (mas não explícito)!!

 está previsto que se na rodovia não houver placas de sinalização a velocidade máxima permitida é 80km/h, sem choro dos condutores ou reclamação das concessionárias da via (e isso está explícito no código) prevendo até punições para os infratores!

agora o CONTRAN também estabelece explicitamente em lei velocidades máximas maiores, mas com sinalização vertical, de no máximo 110km/h, mas como sempre, nossos corruptos políticos deram um "jeitinho" nisso ao colocarem também no código um dispositivo que dá liberdade para empresas, que tenham a concessão da rodovia, de determinarem velocidades maiores ou menores previstas na lei de acordo com as características ''técnicas'' da via (segurança 0), ou seja, é o governo dando "carta branca" para quem pode pagar pelas concessões de aumentar a velocidade máxima além da máxima permitida por lei!

que coisa não! 

agora se o fututro TAV da Dilma deveria ser multado: na minha opinião deveria ser sim por excesso de velocidade em via terrestre e por em risco a segurança e integridade física de seus futuros passageiros...

...mas esqueço que trem é o único veículo terrestre que não está sob regulamentação das normas do Código Nacional de Trânsito!

possui suas exclusivas regras de tráfego, regras estas impostas pelas empresas aos maquinistas que estão sob os ''olhos'' atentos dos satélites que tudo ''enxergam''!

faço minhas as suas palavras: "chega a ser patético"...mesmo! 

Bruno Crivelari Sanches disse:

Samuell,

engraçado esse negócio do CONTRAN, existem rodovias aqui no Brasil onde o limite é 120km/h, influenciar nas ferrovias então, ai chega a ser patético. Será que o TAV da Dilma vai ser multado se um dia sair do papel? :)

Mas eu concordo plenamente: tudo um grande conto de fadas e de corruptos...


Creio que é repetitivo dizer que todos os países (desenvolvidos ou do BRICS ou qualquer outro bloco) têm linhas de passageiros. Acima de tudo é respeitar e dar opção ao público. O fato de descongestionar o trânsito das grandes cidades é uma consequência. Agora, em nome da instalação da indústria automotiva no Brasil, presidentes anteriores "esqueceram" do transporte de passageiros pro trens. Isso sem considerar que pra transporte de cargas, não os utilizamos para mais que 6 produtos, entre os mais minério de ferro, grãos. Foi uma das piores privatizações da história da humanidade. Não trouxe benefícios nenhum pra população. E o pior é que ninguém tem interesse em corrigir isso. Tem muito pra ser feito e no passo de tartaruga, lá perto do ano 3000 teremos estaremos no mesmo nível de França, Suiça, Alemanha, EUA, etc.

Pois é, já passou do prazo de reativação de ferrovias p,ra passageiros, nem o derivado de petróleo não é renovável, a ferrovia pode fazer uso da eletricidade como tração   e deixar mais o auto mais p,ra casos extratégicos (médicos, hospitais........) e bota-se VLT (veículo leve de trilho)  p,ra trajetos urbanos e suburbanos. Quanto aqui em Aracaju, o prefeito q perdeu a posse nas últimas eleições q passou, prometeu muito VLT p,ra Aracaju, mas, ele perdeu e o q ganhou falou foi em ÔNIBUS ARTICULADO, pois VLT é custos onerosos  (MENSALÃO  tbm foi oneroso)  Só isso aí está fazendo o povão de trouxa.

Responder à discussão

RSS

© 2018   Criado por Amantes da Ferrovia.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço