O sistema ferroviário brasileiro sempre sofreu  um processo de descontinuidade...ora em expansão...ora em baixa...e abandono...ora a privatização..ora a estatização.
Pergunto o por que..... de tamanha desorganização e falta de seriedade?
Paulo

Exibições: 1123

Respostas a este tópico

Isto é uma verdade vou escrever sobre isto também quarta feira nesta coluna fazendo uma comparação entre a vila de Paranapiacaba e Campinas... o problema maior é que os orgãos que deveriam preservar colocam um viagem de maria-fumaça dizendo que está tudo bem.. mas nós sabemos que preservar o patrimônio ferroviário é muito mais que isto..






http://revistacontemporartes.blogspot.com/
se quiserem conferir dia 19-10-2010 eu escrevo na coluna... ela é a cada 15 dias e cada integrante do grupo escreve..
Os primeiros construtores das ferrovias foram verdadeirose desbravadores do Brasil. Os operários e funcionários verdadeiros herois. Devemos muitos a eles....quando as ferrovias foram privatizadas eles foram os mais prejudicados.
Acho que devemos trabalhar para resgatar estas memórias.
É verdade, o resgate é muito importante, como seria ótimo ver nossas crianças saboreando com alegria de ouvir o velho apito do trem, o chacoalhar dos vagões, as maravilhas da natureza onde somente a maria fumaça pode chegar, desbravando com o percurso com sua fumaça marcando o traçado. Parece utopia, estamos numa época que existem poucas maria fumaças, funcionando mesmo que seja num pequeno percurso. Aproveitando, estou no processo de registro de um roteiro para um curta-metragem em vídeo digital, onde contarei a paixão de um maquinista aposentado esquecido nas suas lembranças em busca da sua maior paixão a sua velha locomotiva maria fumaça. A idéia deste curta, envolve contar a história da locomotiva Zezé Leoni, recem reformada na cidade de Santos Dumont - MG e que em muito breve vai voltar aos trilhos, transformando a utopia num glamour de lembranças e encantamentos. Quero muito fazer este curta, e assim que o registro for completo, vou em busca de recursos para transcrever a história da Zezé Leoni do papel para o vídeo e mostrar para todos a população: porque o trem encanta e atrai seus admiradores. Espero poder compartilhar e divulgar um pouco da história de nossa ferrovia.

Interessante a proposta do filme documentário sobre a história da locomotiva Zezé Leoni, recem reformada na cidade de Santos Dumont - MG. As locomotivas antigas sempre tem algo para contar.Imagino lindas histórias de viagens e aventuras.Há tambem possibilidade de reviver fatos históricos importantes.

As ferrovias tiveram um papel de destaque na historia do Brasil.

Sim, obrigado Paulo, assim que o registro chegar, vou disponibilizar o mais informações sobre este curta e sei que quanto mais informações surgirem, mas engrandecerá o projeto criado, em conta a história da encantadora maria fumaça Zezé Leoni. O próximo passo é encontrar pessoas que acreditem na idéia e possamos reunir verbas e incentivos para realização do curta, estou aberto a sugestões, valeu abraços a todos.
É isso ai...fogo na caldeira pra ver se o trem anda. A partida já foi dada. Boa sorte



Permita-me dar minha opinião, apesar do tempo transcorrido de sua postagem.

 É que me cadastrei esse ano no Site. Sem dúvida, houve e continua havendo um complô por parte das montadoras de caminhões. É óbvio. Elas fazem um lobby muito forte, têm um poder político imenso e deitam e rolam em cima de alegações do tipo, "criação de empregos", "geração de rendas" etc...

Há, é óbvio também os interesses particulares. Como sempre, a culpa é do governo, que aceita a pressão. Aliás o governo além de ter abandonado as ferrovias, que também gera rendas, empregos etc...abandonou também as rodovias. É só viajar por aí......Além do mais, alguém ou algum órgão, já mediu e calculou em R$, o tamanho do desprezo com as ferrovias?

Oi Osmar

É só a gente andar por esse Brasil afora para verificar o tamnho do prejuizo.As ferrovias foram abandonadas  com suas estaçoes , trens pontes e tudo que compõe uma rede ferroviária.Não se considerou as populações que dependiam dos trens para viajar. Foi um verdadeiro caos. Hoje com o trãnsito do jeito que esta dá pra verificar o quanto este desmanche das ferrovias nos prejudicou e  como estamos defasados na questão dos transporte de carga e de passageiros.

Um abraço

Paulo

 

Ola amigos do Amantes, bem na minha opinião a desativação aqui na minha região (Vale do Itajai) em Ibirama santa Catarina, deu-se em 12 de Março de 1971, quando o último trem de passageiros passou por esta ferrovia, segundo relatos e pessoas as quais conversei me contam que no ultimo dia da passagem do trem, as pessoas foram as estações em sinal de protestos com lenços brancos roupas brancas, abanando de forma triste a despidida do trem. Eu então naquela época meu pai também me levou para ver este dia que seria historico, e que perdi por medo eu estava no carro com meus pais, mas como era pequeno tinha um pouco mais de 2 anos me assustei com aquele apito forte, ecoando pelo vale, acabei não vendo esta despedida.... Mas me alegro hoje, pois faço parte de uma coisa que desde pequeno me interresava, os trens, nosso trem aqui é o 232 em Apiuna-SC, bom mas voltando ao assunto, acho que foi uma das mais erradas atitudes tomadas naquela época, pois hoje os nossos asfaltos encontram-se abarrotados de caminhões container, e que se tivessem a ferrovia muita coisa seria melhor. 

Oi Johnny

Entendo que as ferrovias na época estavam precisando de uma restruturada...elas não aguentaram conpetir com o asfalto sem uma renovada na suas estruturas...precisavam mais investimento.A opção na época foi o desmonte ...apesar dos prejuizos e caos social que causou em algumas comunidades que dependiam da ferrovia.

Mas enfim.... isto é Brasil...a gente não sabe a quem interessou o desmonte.

Paulo

Boa tarde meus amigos amantes da ferrovia, eu não sei muito sobre outras ferrovias mas acompanhei sempre a estrada de ferro sorocabana pois meu pai foi trabalhador nesta desde 1936 quando ainda secretaria da avição até o ano de 1974 quando se aposentou  ..

1929 cai a bolsa em NY e com éla o preço do café

1930 os trens são requisitados para transporte de tropas durante a revolução cai o presidente Washington Luiz assume Getulio  Vargas ,,,os paulistas descontente nomeiam o então presidente da sorocabana Gaspar Ricardo Junior chefe do departamento geral de munições ,,, as oficinas da sorocabana se transformam em fabricas de materias bélicos e constroem trens hospitais, trens blindados com torres para metralhadoras pesadas , trens com canhões de 75 mm e mais uma infinidade de trens com posições para fuzis e metralhadoras,,tudo isto para lutar contra o governo federal,,,Perdeu a batalha, saldo disso tudo ;;

cidades bombardeadas,,,lavouras e industrias destruidas,,,porto de Santos ocupado pelos federais

Um ano depois o então presidente Getulio Vargas conseguiu recuperar .

Em1937 inalgura-se a famosa linha expressa ouro branco e ouro verde que fazia São Paulo/ Bauru/Assis subistituindo os carros de madeira por carros de aço inox

Em 1938 foi inalgurada a estação de Julio Prestes e oficialmente a linha Mairinque/Santos (esta ja estava funcionando)e o mais importante o fim do monopolio São Paulo/Railway  ,,, a linha Mairique/Santos foi uma verdadeira epopeia para a época ,, foram 32 tuneis 18 viadutos e 100 muros de arrimo todos em obras gigantescas ,,este corredor ferroviario ainda hoje é muito importante para a exportação via porto de Santos embora o governo não admita,pois a ALL não coserva e o governo não liga .

1948 foi suspença a importação de material rodante pois a Europa tinha que se recompor da gerra; como as industria no brasil aimda era fraca; até se afirmar começou a queda progressiva.

para se ter uma ideia a eletrificação da malha ferroviaria começou em 1940 e após consumir imenssas verbas foi suspença em 1969,  penssem bem ,foram 29 anos, isto levou a sorocabana a comprar locomotivas disel e eletricas para manter os dois sistemas funcionando, nesta epoca meu pai trabalhava em uma das usinas de força em um lugar no meio do mato em plena serra do mar chamado usina do capivari e eu caminhava 3 km todas as manhans para pegar o trem para estudar o primario  em Evangelista de Sousa ,,me lembro que meu pai falava quando eu saia,( não tenha medo da onça mas cuidado com as cobras) e la ia eu uma camisa branca calça azul curta e alpargatas roda nos pés quando chovia era um problema,, em 1960 esta usina mandou força para Mongagua , eu minha mãe e duas irmãs fomos para la .

E1969 o governo então militar( ditadura)teve o desinteresse total em investir no setor ferroviario pois o estado inteiro ja estava contagiado pelo setor automobilistico no pais

1971 as ferrovias paulistas se tornaram fepasa e dai pra frente foi só desgosto para quem acreditava que um dia teriamos trens como na Europa  .Quando inalguraram o trem da prata São Paulo/Rioeu quase acreditei que ia dar certo mas quando vi que era com verba paticular; e o preço das passagens; vi que não ia longe,,,mas ainda tenho esperanças

Falta de competência  dos administradores. E da UNIAO.

RSS

© 2018   Criado por Amantes da Ferrovia.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço