ELA É NOSSA! INTEIRONA! BONITONA! PERTENCE À NOSSA CIDADE!
Uma senhora imponente!
Cá no auge de seus 90 anos,a locomotiva 370 tem sua história cercada pela beleza!
saindo da fábrica ALCO-American Locomotive Company
número de série 63533
recebeu a numeração 370 de série das Pacific;30 no Brasil,restando hoje,apenas duas,a nossa 370 e  a 353,no museu do Imigrante em São Paulo.
com 4 rodas guias
6 rodas motrizes 
2 rodas portantes
(4-6-2)
atingia a velocidade de 100km/h,feita para expressos!
Fabricada pela americana ALCO e doada pelo Rei Alberto I da Bélgica por ocasião do centenário de nossa independência à então Central do Brasil.
Rei Alberto I em visita ao Brasil(BH) em 1920.

Rei Alberto I
O presente foi em agradecimento à atenção especial com que foi tratado pela CENTRAL  quando da sua visita ao Brasil dois anos antes.
A 370 chegou na praça Mauá no Rio de Janeiro,onde fora feita uma linha para conduzi-la até o antigo palácio Monroe (já demolido).
Haviam ali lindos stands em alvenaria das nações representadas nos festejos do centenário da independência,onde ela ficou exposta.
Guardada no depósito de São Diogo,RJ,foi escalada para fazer o trem de luxo Cruzeiro do Sul com os primeiros carros de aço carbono da Central.
Era composto de um carro restaurante -bagagem e de 4 carros dormitórios;sem paradas,Rio-São Paulo-Rio.
Logo após sua chegada,foi entregue às mãos cuidadosas de Carlos Rocha.
 
Carlos Pereira da Rocha (1878-1957), maquinista apaixonado pela 370,sempre a tratou com muito carinho,chegou a instalar no tender um banheiro para sua comodidade(não queria mesmo sair dela ,heim).
Só a deixou muito tempo depois,com tristeza e assumiu a 371,com a qual ficou até o fim de sua carreira.Neste período a 370 tinha 3 apitos.
Os ferroviários da época diziam que a locomotiva de Carlos era tão bela  que se comparava à beleza da então miss Brasil Zezé Leone.
    * Maria José Leone( miss Brasil 1922/23),nascida em Campinas e radicada em Santos SP.
Por ocasião do concurso ganhou uma casa em Santos(preferiu o dinheiro ao invés da viajem à Europa).Seu nome era sinônimo de mulher bonita:".. uma verdadeira Zezé Leone!"
Ficou tão popular depois do concurso que virou nome de rua,sobremesa,perfume,letra de maxixe e a nossa locomotiva 370!Trabalhou em um filme chamado A mais bela.
confira a receita de "Zezé Leone"

Em 1927,chegaram as novas locomotivas da Baldwin,com isto,a 370 foi transferida do Rio para o depósito de Entre Rios (atual Três Rios) onde fazia o noturno entre Três Rios e Santos Dumont
a 370 à noite
No início dos anos 40,transferida para o Quarto Depósito em Santos Dumont,continuou como trem de passageiros,já um pouco menos glamourosa como no tempo de Carlos Rocha,sendo utilizada em pequenos trechos  e até mesmo no Xangai Juiz de Fora.
Escapou de ser cortada pelos maçaricos para ser utilizada em manobras no depósito.

          

peso:95.255 kg
peso do tender:48.308 kg
superaquecedor pressão:175 libras/pol
bitola:1,60
raio mínimo de curva:140m
força de tração:28.300 lbs
no depósito de SD

Na década de 60 teve o espelho da fornalha fissurado(o concerto era "antieconômico" na época),muitos temiam seu corte;ficou então encostada dentro do depósito em uma pequena via de exposição
 e depois na entrada principal,perecendo exposta ao tempo...
Promessas e mais promessas de recuperação ao longo dos anos fizeram com que muitos de seus principais equipamentos desaparecessem quando dela foram retirados e colocados em caixotes...
Com o fechamento do depósito nos anos 90 tais peças de bronze simplesmente sumiram!
Em 2002,com a ajuda da MRS e de aposentados ela foi retirada da frente do depósito(em estado deplorável,suja e mal cheirosa) e recolocada em seu interior ,protegida novamente das interpéries...
Foi encontrada em 2005 pelo pesquisador Sérgio Martire,durante uma inventariança de locomotivas à vapor existentes no Brasil,produzida pela Notícia & Cia,que em 2007,apresentou o projeto de restauro ao Ministério da Cultura.A MRS Logística ofereceu-se para patrocinar o valor integral e a reforma foi iniciada em 2008.
    
Sérgio Martire
em processo de restauração 
foram trocados os tubos da caldeira e feito o seu revestimento,refundidos seus mancais de bronze(os originais foram usurpados),
substituídos os rodeiros do tender,desmontados e reajustados os cilindros,
reparado o gerador de vapor de energia elétrica,compressor de vapor para freio e válvula de segurança,
refeitas a caixa do tender e a cabine,refeitos os comandos de válvulas( que também haviam sumido),

refeito o limpa trilhos e outras pequenas coisas....

Mesmo sem  seus apito e sino originais,ela ficou tão linda como era na época do Cruzeiro do Sul.

E tudo isto levou 9 meses!

E eis que finalmente,no dia  8 de dezembro de 2008,ela é entregue linda e bufante!!!

participantes da restauração:
1-Jardel
2-Breno
3-Sandro
4-Patrícia
5-Isaac
6-Cynthia
7-Diógenes
8-Regina Perez(diretora da Notícia & Cia)
9-Felipe Brasil
10-Willian
11-Francisco (Baiano)
12-Erik
13-Dalmo
14-José Hamilton 
15-Sebastião
16-Mário
17- ?
18-Felipe
19-Josimar
20-Tiago
Os responsáveis pela sua restauração:
Notícia & CIA,com patrocínio da MRS Logística através da lei Rouanet de incentivo à cultura
alunos do então Centro Municipal de Educação Profissional (CEMEP) Santos Dumont
ex ferroviários como sr. Domingos Marinho da Costa( que conduziu a 370 na década de 50)
sr,Francisco (baiano),responsável pelo delicado trabalho de equilíbrio das engrenagens das rodas
o chefe de equipe José Hamilton,que veio da Estrada de Ferro Teresa Cristina (última das ferrovias brasileiras a abandonar a tração a vapor na década de 80).
Hoje,aguarda do DENIT-IPHAN autorização para que as peças existentes na antiga reserva técnica do Museu Ferroviário em Juiz de Fora sejam novamente instaladas.

Algo que lamento muito é o fato de não haver NENHUM projeto para ela...Não deixemos uma beleza desta categoria novamente à mercê do tempo.Sei que somos muitos os seus admiradores e a população deve conscientizar-se e as escolas fazerem trabalhos voltados ao nosso meio,para que as gerações futuras tenham também o carinho e o amor com que percebo todos os sandumonenses ausentes ou não da "velha-guarda",da geração da Piranguinha,das oficinas do Depósito, ainda hoje sentem por ela.

sr. Domingos ex maquinista e Regina Perez presidente da AMEFER.
sr.Bernardino Cezário de Carvalho-ex-maquinista
sr. Antônio Gonzaga-ex ferroviário
Atual local onde está nossa jóia!!Antigo galpão da RFFSA,área do IFET

Exibições: 2516

Comentar

Você precisa ser um membro de Amantes Da Ferrovia para adicionar comentários!

Entrar em Amantes Da Ferrovia

Comentário de Lucas Medeiros em 1 dezembro 2013 às 17:36

Eu tive uma ideia para não deixar esta locomotiva ser destruída novamente com o tempo. Aqui em Vila de Cava onde moro que é um bairro de nova iguaçu no Rio de Janeiro existe uma estação ferroviária antiga e uma casa de abastecimento de locomotivas a vapor o local foi invadido por moradores humildes que não tem para onde irem. E a 13 quilômetros daqui existe Tinguá um local lindo onde existe a Fazenda São Bernadino, Sítios, Fazendas, Rios, Cachoeiras e a incrível Mata Atlântica, lá também existe uma estação que está abandonada que é mantida fechada e no meio da praça de lá existe uma caixa d'água de abastecimento de locomotivas. Vila de Cava existia um entrocamento que seguia Para Jaceruba, Belford Roxo e Tinguá. hoje em a linha não existe mais linhas férreas por aqui. Então estive pensando como essa locomotiva esta parada e foi recém reformada poderia até esta sendo reconstruída a malha ferroviária que ligava Vila de Cava a Tinguá com uma bitola larga e fosse colocada essa locomotiva entre esses dois pontos como era feito antigamente o trajeto onde passava o trem é muito lindo é uma bela paisagem com travessias em rios. A ferrovia aqui foi utilizada para diversas coisas como a construção das tubulações de água que abastece toda a baixada também transportava as laranjas e eram produzidas no local que já foi o maior produtor de laranjas do mundo e foi interrompido porque o trem parou de trafegar por aqui. Este local é incrível porque as estações pertenciam a antiga EFCB-Estrada de Ferro Central do Brasil e elas tem longas histórias por fazerem parte da primeira ferrovia do Brasil. Tenho em minha mente varias ideias para colocar essa locomotiva de bitola larga para fazer um belo passeio por aqui nos finas de semana e em feriados para não força-la como o local é bem visitado todos os finas de semana e feriados não importa chuva ou sol poderia ser feitos de 1 a 2 passeios por dia. A locomotiva poderia ser traga pela malha ferroviária da MRS logística que fica em um bairro um pouco distante daqui ou até mesmo pela nova estrada que esta sendo construída a uns 500 metros da estação o famoso Arco Metropolitano. Se começassem a construir desde agora a malha de bitola larga entre esses dois pontos já que o Arco Metropolitano esta terminando de ser construído será fácil trazer a locomotiva para cá e daria tempo de construir a linha e fazer a reforma das estações. Estive pensado também em outro coisa de onde poderia ser consertada e guardada a locomotiva, na parte de trás da estação de vila de cava a alguns metro existe um sítio bem grande e amplo que se localiza ao lado de onde tinha a linha férrea que pode ser usado como patio de manobras, oficina e até a garagem do trem. Será um privilégio fazer essa locomotiva operar por aqui, se isso for possível aqui será o primeiro lugar no Rio de Janeiro com a reconstrução da primeira malha ferroviária no Brasil e também o único lugar no Rio de Janeiro a fazer passeios de maria fumaça porque aqui não passa maria fumaçar em nenhum lugar. Então seria realizado com isso o meu e de muita gente o sonho de ver a velha maquina a vapor passando por aqui de novo. Então tentem fazer com que essa linda maquina a vapor passe por aqui...OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO. Nos ajude a trazer a vida a esse lugar fazendo com essa locomotiva rode por aqui fazendo a felicidade de todos nós........

Comentário de Lucas Medeiros em 1 dezembro 2013 às 17:31
Eu tive uma ideia para não deixar esta locomotiva ser destruída novamente com o tempo. Aqui em Vila de Cava onde moro que é um bairro de nova iguaçu no Rio de Janeiro existe uma estação ferroviária antiga e uma casa de abastecimento de locomotivas a vapor o local foi invadido por moradores humildes que não tem para onde irem. E a 13 quilômetros daqui existe Tinguá um local lindo onde existe a Fazenda São Bernadino, Sítios, Fazendas, Rios, Cachoeiras e a incrível Mata Atlântica, lá também existe uma estação que está abandonada que é mantida fechada e no meio da praça de lá existe uma caixa d'água de abastecimento de locomotivas. Vila de Cava existia um entrocamento que seguia Para Jaceruba, Belford Roxo e Tinguá. hoje em a linha não existe mais linhas férreas por aqui. Então estive pensando como essa locomotiva esta parada e foi recém reformada poderia até esta sendo reconstruída a malha ferroviária que ligava Vila de Cava a Tinguá com uma bitola larga e fosse colocada essa locomotiva entre esses dois pontos como era feito antigamente o trajeto onde passava o trem é muito lindo é uma bela paisagem com travessias em rios. A ferrovia aqui foi utilizada para diversas coisas como a construção das tubulações de água que abastece toda a baixada também transportava as laranjas e eram produzidas no local que já foi o maior produtor de laranjas do mundo e foi interrompido porque o trem parou de trafegar por aqui. Este local é incrível porque as estações pertenciam a antiga EFCB-Estrada de Ferro Central do Brasil e elas tem longas histórias por fazerem parte da primeira ferrovia do Brasil. Tenho em minha mente varias ideias para colocar essa locomotiva de bitola larga para fazer um belo passeio por aqui nos finas de semana e em feriados para não força-la como o local é bem visitado todos os finas de semana e feriados não importa chuva ou sol poderia ser feitos de 1 a 2 passeios por dia. A locomotiva poderia ser traga pela malha ferroviária da MRS logística que fica em um bairro um pouco distante daqui ou até mesmo pela nova estrada que esta sendo construída a uns 500 metros da estação o famoso Arco Metropolitano. Se começassem a construir desde agora a malha de bitola larga entre esses dois pontos já que o Arco Metropolitano esta terminando de ser construído será fácil trazer a locomotiva para cá e daria tempo de construir a linha e fazer a reforma das estações. Estive pensado também em outro coisa de onde poderia ser consertada e guardada a locomotiva, na parte de trás da estação de vila de cava a alguns metro existe um sítio bem grande e amplo que se localiza ao lado de onde tinha a linha férrea que pode ser usado como patio de manobras, oficina e até a garagem do trem. Será um privilégio fazer essa locomotiva operar por aqui, se isso for possível aqui será o primeiro lugar no Rio de Janeiro com a reconstrução da primeira malha ferroviária no Brasil e também o único lugar no Rio de Janeiro a fazer passeios de maria fumaça porque aqui não passa maria fumaçar em nenhum lugar. Então seria realizado com isso o meu e de muita gente o sonho de ver a velha maquina a vapor passando por aqui de novo. Então tentem fazer com que essa linda maquina a vapor passe por aqui...OBRIGADO PELA SUA ATENÇÃO. Nos ajude a trazer a vida a esse lugar fazendo com essa locomotiva rode por aqui fazendo a felicidade de todos nós........
Comentário de Aloizio Barros de Souza em 3 outubro 2013 às 12:47

Mais uma vez vemos o descaso do poder público no Brasil com as ferrovias. Grupos particulares tem que se movimentar para restaurar a história da ferrovia. Lutam com dificuldades para restaurar uma imponente locomotiva como a Zezé Leone e no fim, não dão o principal: condições para manter e conservar uma beleza como essa. Ora, o governo federal não poderia repassar verbas de incentivo para o projeto? Não poderia ele, á época da restauração, ter entrado com a maior parte da subvenção? Não! Ora, para que financiar a recuperação de uma antiga locomotiva se podem "embolsar" a grana ou desvia-la para apoiar projetos "mais interessantes" para eles. Enfim, quem paga o preço é a memória ferroviária e a própria ferrovia, que foi ao longo dos anos sucateada e desmanchada. Uma lástima ver tamanha imponência, mais uma vez, ser jogada ao abandono.

Comentário de Samuell Alexandre em 8 dezembro 2012 às 7:23

agora te pergunto uma coisa Edson:

por que não utilizam esta locomotiva para fins comerciais? uma máquina deste porte, que estava praticamente condenada pelos ''tecnocratas de plantão'', pois estava faltando muitas peças e o estado de conservação geral da máquina não era ''satisfatória'' e realmente qualquer locomotiva, seja ela a vapor ou diesel-elétrica, aliás qualquer coisa que fique muito tempo parado e exposto ao ''relento'' tem seus dias contados (e falo isso aqui sempre), mas...

não foi totalmente possível a sua restauração?

é claro, que teve que ter patrocínio, pois a empreitada não é barata, mas mostra o que eu venho dizendo a respeito da recuperação e operação das máquinas a vapor existentes (ainda) no Brasil. estas vaporosas precisam de trabalho! e não estou falando em usá-las como ''brinquedos'' para turistas com percursos tão curtos que mal se aproveita seu potencial. estou mesmo defendendo o retorno destas máquinas para ativa e não acredito em nehum argumento contra isso, pois o seu custoxbenefício é inferior as máquinas atuais e sua manutenção é simples. não precisa deixar acabar a máquina para depois realizar as manutenções necessárias! isso é recorrente na cultura brasileira: ''usa-se até a exaustão, depois pensaremos em consertar algo''.

olha a estética com que esta locomotiva 370 da American (fabricada há 90 anos hein!!) ficou depois de restaurada: ficou como "0km"!! linda, maravilhosa!! agora imagine poder ver Edson, uma empresa séria operar comercialmente esta máquina todos os dias transportando comboios de passageiros comercialmente e até mesmo cargas??

é uma pena que isso não acontece no Brasil, pois infelizmente Edson temos a cultura do ''modismo'' onde tem funcionalidade apenas o que é novo, ultramoderno, ''zerinho de fábrica'', computadorizado, etc...

e muuuuuuuuiiiiiiiiiiiiiiiitaaa gente que tem na ponta da língua argumentos do tipo: ''antieconômico'', ''atrasado'', ''arcaico'', ''só serve para museu'', ''só serve para trem turístico e de curtíssimo percurso, pois ao contrário dá prejuízo'' e por aí as desculpas se arrastam e as máquinas a vapor se acabam no Brasil!

tomara que o investimento feito para recuperar esta belíssima máquina, não vá para o sucateamento como quase aconteceu por duas vezes com esta máquina, pois a falta de interesse dos líderes locais em preservá-la está latente: basta ver o local onde está ''guardada''. parece que o ''galpão'' vai simplesmente cair sobre a máquina por falta de manutenção estrutural. olha o estado de suas laterais!! que proteção oferece contra chuva, poeira, ventos, sol e vândalos? está tudo aberto, só possui a cobertura do telhado! 

vamos acabar com essa cultura de recuperar locomotivas a vapor para ficarem expostas (paradinhas, sem uso) em museus ou em garagens de oficinas e também para serem utilizadas como ''brinquedinho de turista'' com percurso de ''ferrorama'' em um interminável vai e volta!!

esta máquina a vapor, assim como todas as demais vaporosas espalhadas pelo Brasil afora, merecem voltar  para ativa comercialmente e pra valer!! 

Comentário de Bruno Crivelari Sanches em 4 dezembro 2012 às 16:28

>>Algo que lamento muito é o fato de não haver NENHUM projeto para ela...

Algo que também lamento muito.

© 2018   Criado por Amantes da Ferrovia.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço