Ministério dos Transportes estuda a possibilidade de implantar trens regionais

O Ministério dos Transportes estuda atualmente a possibilidade de implantar trens regionais de passageiros em seis trechos ferroviários : Londrina-Maringá (Paraná), com 122 Km de extensão; Bento Gonçalves-Caxias do Sul (Rio Grande do Sul), 65 Km; Pelotas-Rio Grande (Rio Grande do Sul), 52 Km; Salvador–Conceição da Feira-Alagoinhas (Bahia), 238 Km; Codó-Teresina-Altos (Maranhão/Piauí), 205 Km; São Luís-Itapecuru-Mirim (Maranhão), 108 Km.

No caso do estado da Bahia, existe a possibilidade do trecho contemplar a cidade de Feira de Santana, localizada há 100 quilômetros da capital baiana.

De acordo com o diretor do Departamento de Planejamento e Avaliação da Política de Transportes do Ministério dos Transportes, Francisco Luiz Costa, a versão final dos estudos dos dois primeiros trechos será entregue até o  próximo dia 30. Os demais serão entregues no início de maio, em 2013.

Segundo ele, esses estudos iniciais – em linhas já existentes, porém ociosas – determinarão as melhores soluções técnicas para cada projeto e indicarão a demanda, as obras necessárias, o uso de linhas existentes, as adequações, a tecnologia do maquinário, a velocidade e os custos de implantação. “O primeiro passo é descobrir onde não tem transporte de cargas e, ao mesmo tempo, tenha uma extensão longa de ferrovia para ser aproveitada para o transporte de passageiros, desde que tenha uma demanda razoável.”

O representante do governo disse ainda que a ideia é ampliar a participação do Ministério dos Transportes na modelagem atual. O MT oferece aos estados e municípios os estudos de viabilidade técnica, ambiental e econômica e os estados e municípios precisam atrair a iniciativa privada para investir.

“Nós precisamos discutir e reavaliar esse modelo, pois alguns municípios não têm condições de viabilizar, que é o grande desafio. Por outro lado, ainda não temos instrumentos para executar tanto na contratação de pessoal, como na compra de material rodante. O setor local privado precisa estar junto.”

Estudo

Costa explicou que em 2002 foram identificados 64 trechos ferroviários com potencial para o transporte de passageiros, pelo Projeto Trens Regionais. Desses, 14 foram classificados como trechos prioritários e, por último, foram escolhidos 6 para desenvolver os estudos, em parceria com as universidades federais da Bahia, Santa Catarina e Minas Gerais, de viabilidade técnica, econômica, social e ambiental (EVTESA) para o transporte de passageiros de forma regular.

Agência T1, Por Bruna Yunes

Exibições: 465

Comentar

Você precisa ser um membro de Amantes Da Ferrovia para adicionar comentários!

Entrar em Amantes Da Ferrovia

Comentário de jotagomes em 24 novembro 2012 às 14:59

parabens, o trecho maringá/londrina, vai ser muito legal, e com certeza ira desafogar a rodovia do café

Comentário de jotagomes em 24 novembro 2012 às 14:51

a sra, neida lucia barzoti. parabens neida, por postar emfavor do retorno dos trens de passageiros no brasil. infelizmente, governos optaram por rodoviarismo e agora a coisa se complicou, com estradas pedagiadas, aumentando o custo de tudo,e tais estradas estão matando mais , que a gurra do vietnã.

Comentário de jotagomes em 24 novembro 2012 às 14:44

fica a ideia tambem de trem de passageiros, ligando sao paulo ribeirão preto com paradas em jundiai, valinhos, louveira, vinhedo, campinas, jaguariuna, mogi guaçu, mogi mirim , casa branca, tambau, sao simao e ribeirão preto. seria muito legal e é uma linha lucrativa

 

Comentário de jotagomes em 24 novembro 2012 às 14:41

muito legal esta iniciativa de reativar trens de passageiros, passagens muito mais baratas, muito mais conforto, desafogam as estradas pedagiadas que mata mais que a guerra do vietnã. parabens

Comentário de Anderson Nascimento em 23 novembro 2012 às 21:35

Concordo com o Samuell, os mesmos que destruíram as ferrovias agora estão gritando aos ventos que "descobriram a roda"! Parece uma galinha "garnizé" que quando bota um ovinho, pouco maior que um ovo de codorna, parece ter botado pelo menos 12 dúzias.

Comentário de Samuell Alexandre em 23 novembro 2012 às 14:34

o pessoal deve achar que eu sou muito pessimista, mas pelo amor de Deus gente, não consigo engolir tantas mentiras de uma vez só, olhem isso:

Nós precisamos discutir e reavaliar esse modelo, pois alguns municípios não têm condições de viabilizar, que é o grande desafio. Por outro lado, ainda não temos instrumentos para executar tanto na contratação de pessoal, como na compra de material rodante. O setor local privado precisa estar junto.

esse pessoal leva tudo para a famosa ''POLITICAGEM''. ferrovia deve ser um programa de Estado a nível federal. não adianta jogar a batata para as unidades federativas e municípios e muuuuuiiiiito menos para a iniciativa privada que não está nem aí para o transporte de passageiros. NÃO EXISTE (e já falo isso há um bom tempo) no Brasil empresa privada especializada neste segmento em caráter comercial regular e diário. já existiram, mas isso foi há 55 anos, antes de criarem a tão desnecessária RFFSA que ao invés de regulamentar o setor de passageiros sucateou tudo e patrocinou o desmanche criminoso de aproximadamente 10 mil km de ferrovias pelo país afora. trens de passageiros, para dar certo, só existem dois caminhos:

1 - subsídio do Estado a todas as empresas que operarem as linhas desses trens para que seus sócios consigam manter o padrão de ''milionários do Brasil'' - infelizmente é o que acontece em todos os países que mantém o transporte de pessoas sobre trilhos. precisa-se da ''ajuda'' do Estado para os trens se tornarem ''viáveis economicamente''. esta opção acho ridícula, mas no mundo real ela é necessária.

2 - deixar que empresários sérios e compromissados com o real desenvolvimento da nação obtenham as divisas necessárias a partir da operação de seus próprios trens, deixando-se de lado a ganância e ambição descontrolada comparlihando linhas, máquinas, vagões, estações, armazéns como se fosse uma ''cooperativa ferroviária'' (mas isso é utopia): existe alguém no mundo capaz de fazer algo assim?? alguém se dispõe a abrir mão de margens de lucro na ''estratosfera'' para oferecer um transporte seguro, barato e eficiente?? esta é a solução real, mas em um mundo ideal que jamais existirá! pelo menos aqui neste planeta!

outra coisa que me deixa encabulado é o MT dizer que ''não temos instrumentos para executar tanto na contratação de pessoal, como na compra de material rodante.''

ora, deve estar escrito ''otário'' na minha testa!!

como um órgão federal diz que não tem condições de contratar e comprar (leia-se: ''não temos instrumentos'') pessoal capacitado e material rodante?

pra que pagamos impostos hein?

é muita cara de pau em tentar convencer as pessoas com argumentos tão vazios assim, ou seja, ''instrumentos'' para corrupção sempre tem!

dinheiro público para obras eleitorais (e de péssima qualidade) tem!

dinheiro público (só pessoas alienadas demais acham que isso não acontece) para financiar campanhas de políticos que, na esmagadora maioria são pessoas de caráter duvidoso também tem!

...mas para investir nas pessoas, em tempo: nos trens, aaahhhh coitadinhos, não tem ''instrumentos''.

digo: o maior ''gargalo'' do Brasil são: vereadores, prefeitos, deputados estaduais, federais, senadores, etc...

Comentário de Neida Lucia Barzoti em 23 novembro 2012 às 9:44

                   Parabéns aos iniciadores deste processo para trens de passageiros regionais, pois a partir dai os trens interestaduais podem voltar também, o que acho que o Brasil político e geral nunca deveria ter abandonado, pois criar tudo de novo fica muito difícil, mas não impossível.

© 2018   Criado por Amantes da Ferrovia.   Ativado por

Badges  |  Relatar um incidente  |  Termos de serviço