[ editar artigo]

Ferromodelismo: um projeto de operações ferroviárias

Ferromodelismo: um projeto de operações ferroviárias

Você já ouviu falar em Direct Current (DC) e Digital Command Control (DCC)? Para os ferro-fãs de ferromodelismo, os termos podem ser bem conhecidos. Mas se você quer saber um pouco mais sobre maquetes ferroviárias, acompanhe  nosso artigo.

Direct Current ou Controle Analógico é o sistema mais simples de operar uma maquete ferroviária. Ele consiste na operação dos trens na maquete por meio da variação da tensão elétrica nos trilhos para as escolhas de velocidade do sentido de tráfego. 

No entanto, a operação de uma maquete analógica, apesar de ter um custo menor do que o Controle de Comando Digital  (por não necessitar de uma central digital e decoders no material rodante) torna-se trabalhosa quando a maquete cresce, devido à necessidade de separar os trechos controlados e o controle dos desvios, pois cada um deve ter sua alimentação separada.

Além disso, o modelista deve ter um conhecimento artesanal apurado sobre as operações ferroviárias com material analógico, como a alteração de potência para as composições percorrerem trechos inclinados, assim como a resposta de cada modelo com a mesma intensidade de corrente fornecida na linha.

Controle Ferroviário Modelo

Os sistemas de controle ferroviário de modelo digital são uma alternativa para controlar um layout, simplificar a fiação e adicionar mais flexibilidade nas operações. Vários sistemas de controle estão disponíveis para operar locomotivas nas ferrovias modelo.

Os sistemas analógicos, em que a velocidade e a direção de um trem são controladas ajustando-se a tensão na pista, ainda são populares. No entanto, eles vêm dando lugar a sistemas controlados com tecnologia de computadores.

Corrente contínua / analógica (CC)

 

Por muitos anos, essa foi a única maneira de controlar um modelo de ferrovia. As locomotivas recebem uma corrente direta de 12V por por meio dos trilhos. 

À medida que você gira o controlador ferroviário do modelo, a corrente direta aumenta a tensão nos trilhos, acelerando o motor dentro do modelo.

Controle de comando digital (na sigla em inglês, DCC)

 

Esse é o método mais moderno de controle ferroviário de modelos. Cada sinal precisa ser decodificado e, para isso, todas as locomotivas em um layout DCC são equipadas com um chip. O chip decodifica os sinais e controla a velocidade do motor.

Vantagens do DCC sobre a corrente contínua (analógica)

Há modelistas de maquetes que preferem o sistema DC, mas por que esse modelo está sendo substituído? Vamos supor que você queira apenas uma locomotiva em movimento. Ou, melhor ainda, que tal mover uma locomotiva em uma direção e acender as luzes interiores na outra? E se você pudesse adicionar som às duas locomotivas?

O controle DCC permite todas as opções acima e mais algumas. O problema é que você precisa garantir que todas as locomotivas do seu layout controlado por DCC estejam equipadas com um decodificador para que essas funções funcionem. 

Se a locomotiva não puder decodificar as mensagens, ela não "saberá" o que fazer, podendo até ser danificada pela tensão mais alta da esteira. A pista em um layout DCC é alimentada permanentemente com corrente, o que permite adicionar luzes a locomotivas ou vagões que podem ser permanentemente acesas ou desligadas como quiser.

De uma maneira simples, esse controle da locomotiva DCC usando sinais automatizados é como enviar correspondências pelo correio para uma determinada rua de casas. Cada decodificador de locomotiva tem um "endereço" exclusivo – imagine um endereço residencial, por exemplo. 

Queremos enviar um sinal para a locomotiva se mover. Girar a roda do acelerador do controlador envia um sinal, mas o sinal só pode ser lido pela locomotiva com o "endereço" correto para o qual foi enviado. Todas as outras locomotivas, assim como todas as outras casas da rua, não podem ver essas informações porque não têm o  "endereço" correto.

As vantagens do DCC sobre as operações analógicas são fornecidas pela capacidade de controlar locomotivas individuais sem interruptores e cabos complicados.

No ambiente analógico, não importa quanto você aumenta sua disponibilidade de energia, tudo o que você controla é a pista.

A tensão aplicada na via  é de 0 a 15V para a escala HO (escala mais popular do ferromodelismo) e todas as locomotivas naquela seção apresentarão o mesmo movimento, pois elas somente captam a energia dos trilhos e direcionam diretamente para o sistema de iluminação e de tração.

Se você quiser que uma locomotiva não mais se movimente com as outras, a máquina deve ser retirada dos trilhos ou estacionada em um ramal devidamente isolado eletricamente por meio de um isolamento simples, acionado por interruptores similares aos de lâmpadas de iluminação no painel de controle.

Esse sistema é indicado para maquetes pequenas, pois existem poucos trens e as manobras são pontuais. Para efetuar manobras maiores, é necessário dividir a maquete em seções onde cada uma tem seu próprio controlador e suas seções isoladas. Isso demandará uma quantidade enorme de controladores, trechos isolados e um painel de controle com seleção para os controladores etc. 

Com o DCC, você controla os motores – ou seja, conduz o trem. Você pode colocar trens adicionais na pista sem ter que se preocupar com fiação extra, interruptores ou fontes de alimentação. Além disso, uma mesma pista pode ser usada por mais de uma locomotiva, já que o DCC permite controlar vários motores ao mesmo tempo.

E você, já sabe qual modelo escolher? Quer saber mais sobre o assunto? Deixe seu comentário! 

Amantes da Ferrovia
Ler conteúdo completo
Indicados para você