[ editar artigo]

Operação Automática do Trem: tecnologia revolucionária para automação e digitalização ferroviária

Operação Automática do Trem: tecnologia revolucionária para automação e digitalização ferroviária

A Operação Automática do Trem (ATO), uma das sinalizações mais modernas, é utilizada em ferrovias com tráfego muito intenso como as linhas de metrô e trens metropolitanos, pois permitem intervalos bem pequenos necessários para transportar grandes volumes de passageiros.

Funções ATO

O ATO é um sistema de bordo que permite a operação do trem, controlando e monitorando a aplicação de propulsão ou freio aos motores. Este sistema envolve outras funções que não fazem parte do sistema de proteção, como parada programada nas estações, abertura e fechamento de portas e comunicação de dados (não pertinentes à velocidade) do trem.

Os equipamentos de via que executam as funções ATO estão normalmente nas estações, pois efetuam controles das sinalizações e transmitem informações de identificação e controle de desempenho dos trens enquanto ele está parado na plataforma. 

Já os equipamentos de bordo que realizam as funções ATO processam as informações transmitidas pelos equipamentos de estação sobre a posição do trem ao longo da plataforma, entre elas estão: comandos de abertura e fechamento de portas, comandos de modificação de desempenho e informações de identificação do trem e ações de desaceleração para parada programada. 

Por outro lado, o trem transmite aos equipamentos de estação informações sobre o estado das portas (abertura e fechamento), a posição do trem ao longo da plataforma e o seu nível de desempenho. Além disso, as funções ATO não precisam ser realizadas utilizando o sistema “fail-safe” (falha segura), uma vez que qualquer problema nestas funções não implica na insegurança do trem e dos usuários, embora possa influenciar o desempenho da movimentação do veículo.

                                                              Bloco Fixo - Circuito de Via com ocupação 

O controle de bordo faz a comunicação com os equipamentos ao longo da plataforma da estação, recebida pela antena de parada programada. Assim, o controlador de bordo realiza a desaceleração do veículo em função da distância final de parada do trem, construindo um perfil de frenagem por meio da técnica “distance to go'' (série de restrições de velocidade intermediárias), que compara a velocidade real do trem e a velocidade comandada transmitida pelo equipamento de via.

Com base nos valores de velocidade real e comandada do trem, é efetuado o controle de BPM (no inglês, Brake Profile Monitor), que compreende desde o corte de tração dos motores até a aplicação de freios de emergência, dependendo da diferença encontrada entre a velocidade comandada e a velocidade real do trem.

Benefícios operacionais

A sinalização ATO pode trazer muitos benefícios operacionais para clientes em potencial, como:

  • Desempenho de operação de rede aprimorado;

  • Melhor infraestrutura e capacidade de transporte;

  • Maior precisão de parada;

  • Melhor estabilidade de horários e pontualidade;

  • Economia de energia;

  • Desgaste mecânico reduzido e menos ruído;

  • Maior experiência do passageiro.

E você, já ouviu falar deste sistema? Conte para a gente nos comentários!

Amantes da Ferrovia
Ler conteúdo completo
Indicados para você